fbpx

BLOG HOSPITAL

Agosto-dourado-1200x857.jpg

Pediatra do Hospital América de Mauá fala sobre a importância do aleitamento materno

“Capacite os pais e permita a amamentação, agora e no futuro!” é o slogan da Semana Mundial de Aleitamento Materno (SMAM) 2019, definido pela Aliança Mundial para Ação em Amamentação (WABA, sigla em inglês). A iniciativa, que acontece anualmente em agosto, tem como objetivo enfatizar a importância do envolvimento de todos os familiares próximos, não apenas da mãe, para garantir que seja possível o aleitamento materno exclusivo nos primeiros 6 meses de vida e de forma complementar até os 2 anos de idade. “Quando nos referimos à amamentação, o binômio mãe-bebê surge de imediato em nosso pensamento, porém para que ela ocorra é preciso que haja um ambiente favorável: tranquilo, confortável e sem fatores estressores, com a presença de pessoas para assegurar uma amamentação de qualidade para mãe e bebê. A participação do pai, a ajuda de familiares e a assistência de profissionais de saúde são fatores que interferem diretamente no êxito do amamentar. O pai é fundamental no processo do aleitamento materno e pode participar de diversas maneiras, sendo as principais estar ao lado da mãe para oferecer todo o apoio necessário durante o processo e auxiliar nos cuidados da casa e dos filhos mais velhos, bem como na alimentação da lactante e em outras funções que a mãe anteriormente realizava.  Familiares e amigos também podem contribuir com esses cuidados”, explica a Dra. Nathalie Moschetta Monteiro Gil, pediatra e neurologista infantil, prestadora de serviços no Hospital América de Mauá.

Desde 1992, mais de 120 países celebram a Semana Mundial da Amamentação entre os dias 1º e 7 de agosto, definidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) com base na Declaração de Innocenti, assinada em 1º de agosto de 1990. A campanha Agosto Dourado remete ao mês dedicado à intensificação das ações de promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno, chamando atenção para a grande importância da amamentação no desenvolvimento do recém-nascido. O dourado faz alusão à definição do leite materno segundo a OMS: alimento de ouro para a saúde dos bebês. “O objetivo da campanha é informar sobre os benefícios do leite materno, que está diretamente ligado a uma boa nutrição, bem como vincular a amamentação a uma agenda nutricional de segurança alimentar, alcançar pessoas e organizações que trabalham com questões relacionadas à propagação de informação sobre a amamentação e motivar as mães a amamentar com consciência sobre a importância nutricional do leite materno”, esclarece a doutora.

A composição do leite materno

“Nos primeiros dias após o parto, é produzido o colostro. Quando comparado ao leite maduro, ele é mais viscoso e possui maior concentração de proteínas, minerais, carotenoides e vitaminas lipossolúveis, principalmente A e E, além de apresentar menor quantidade de lactose, gorduras e outras vitaminas. O colostro é muito rico em fatores de defesa, como substâncias imunomoduladoras, agentes anti-inflamatórios, imunoglobulinas e outros agentes antimicrobianos. As modificações na composição láctea após o 5º dia ocorrem de forma gradual e progressiva, sendo denominado leite de transição o leite produzido nesse período intermediário entre o colostro e o leite maduro. Embora o período compreendido entre o 6º e o 10º dia pós-parto seja considerado transicional, poucos nutrientes atingem o 10º dia com seus valores definitivos. Essa irregularidade na composição láctea dos primeiros dias pode ser atribuída à imaturidade fisiológica e metabólica da glândula mamária, então, apesar de o processo de transição perdurar durante todo o primeiro mês de lactação, convencionou-se definir como leite maduro o leite produzido posteriormente ao 15° dia de vida do bebê. Nesse período, o soro do leite humano apresenta cerca de 60% a 90% de seu teor proteico total, e sua composição inclui alfa-lactoalbumina, lactoferrina, lisozima, soroalbumina, imunoglobulinas e betalactoglobulina. A alfa-lactoalbumina, que constitui cerca de 40% das proteínas do soro do leite humano, é necessária para o transporte de ferro e para a síntese de lactose na glândula mamária. A lactoferrina, a lisozima e as imunoglobulinas, especialmente a IgA secretora, são proteínas do soro do leite humano relacionadas ao sistema de proteção do corpo. A caseína, proteína responsável por conferir a aparência branca do leite, possui vários subtipos, mas predominam no leite humano as frações beta-caseína (50%) e kappa-caseína (20% a 27%). Durante a lactação, ocorre uma acentuada elevação do teor de caseína no leite humano, acompanhada de um concomitante decréscimo dos níveis de proteínas do soro. A lactose constitui cerca de 70% do conteúdo de carboidratos do leite materno e sua concentração no colostro oscila em torno de 5,3 g/dl, elevando-se para 7 g/dl no leite maduro. As gorduras são a maior fonte de energia do leite humano e são facilmente digeríveis e absorvíveis. Entre os macrominerais presentes, estão sódio, potássio, cloreto, cálcio, magnésio, fósforo e sulfato. É importante lembrar que os microelementos, ou seja, o conteúdo vitamínico do leite humano, pode ser afetado por diversos fatores, sendo o principal o estado nutricional materno”, afirma a doutora.

Benefícios da amamentação

O aleitamento materno apresenta inúmeras vantagens, como aspectos higiênicos, imunológicos, psicossociais e cognitivos, contribuindo também para a prevenção de doenças futuras. Além disso, gera menor custo e efeito anticoncepcional, bem como outros inúmeros benefícios para o organismo da mãe e do bebê.  “O leite humano possui uma composição nutricional balanceada em termos de proteínas, carboidratos e gorduras, garantindo o crescimento e o desenvolvimento adequados do recém-nascido. Ele auxilia no desenvolvimento neurológico, no fortalecimento do sistema imunológico e reforça o vínculo afetivo entre mãe e filho. Também reduz a morbimortalidade infantil ao diminuir a incidência de doenças infecciosas, proporciona nutrição de alta qualidade para o bebê e promove a correta estimulação dos músculos orofaciais. Estudos recentes tem mostrado que pacientes que receberam aleitamento materno exclusivo até o 6º mês de vida desenvolveram fatores protetores na infância e na vida adulta para obesidade, diabetes, doenças inflamatórias intestinais, leucemia infantil, otite média, infecções do trato respiratório superior e inferior e apresentaram melhor desempenho em testes de inteligência (QI). Vale lembrar que o ritmo intestinal no primeiro ano de vida, sobretudo nos primeiros meses, é diferente. No início, o bebê pode evacuar todas as vezes depois que mamar, devido ao reflexo gastrocólico, ou evacuar em intervalos longos, até mesmo de dias, e isso é considerado normal, desde que as fezes estejam amolecidas, não apresentem rajas de sangue e o aumento de peso seja adequado. O ganho ponderal do bebê deve ser acompanhado mensalmente pelo pediatra para monitorar o seu crescimento”, ressalta a especialista.

O volume de leite materno necessário para satisfazer um recém-nascido é definido pelo cálculo da capacidade gástrica do bebê, que depende do peso, mas quando se trata de aleitamento materno exclusivo esses cálculos não são necessários. “O aleitamento deve ser realizado em livre demanda, ou seja, sem horários pré-estabelecidos, porém é importante que algumas informações sejam passadas às mães: o leite inicial tem composição predominantemente hídrica, já o leite posterior concentra as gorduras necessárias para a satisfação e nutrição do bebê, portanto a amamentação deve ser realizada na mesma mama até que ela esvazie, para depois intercalar com a outra. As mães também devem ser instruídas quanto ao intervalo máximo entre as mamadas: 4 horas, que é o tempo que leva para o estoque de glicose no organismo do recém-nascido acabar”, comenta a médica.

Dicas para amamentar

Para a mãe ter sucesso na amamentação, é preciso seguir algumas orientações em relação à alimentação, ao sono e às técnicas necessárias para a pega correta. “É necessário ingerir bastante água, não ficar nervosa durante o período de aleitamento, dormir bem, ter uma alimentação saudável e amamentar sempre que o bebê quiser, ajudando-o a acertar a pega. A massagem prévia à amamentação, com ordenha inicial, e compressas de água morna também podem ser úteis. O mais importante, no entanto, é respeitar a livre demanda e se certificar de que a pega está correta.  A ingestão de remédios deve ser feita somente em casos específicos e sob orientação médica. A lactante deve se sentar de modo confortável, relaxada, com a coluna ereta e os pés apoiados em uma banqueta. O corpo do bebê deve estar totalmente voltado para o corpo da mãe, de modo que seja possível o encontro de barriga com barriga. O pescoço do bebê deve estar ligeiramente estendido para facilitar a pega, e a mama deve ser segurada com os dedos em forma de “C”, não em forma de tesoura. O bebê deve estar bem apoiado, o queixo tocando o peito e a boca bem aberta, de frente para o mamilo”, instrui a pediatra.

O aleitamento também contribui para a saúde da mulher ao reduzir riscos de certos tipos de cânceres, ampliar o intervalo entre partos, auxiliar a mulher a atingir seu peso ideal, proporcionar economia e ajudar no desprendimento da placenta, colaborando para a volta do útero ao tamanho normal e, com isso, evitando o sangramento excessivo e uma possível anemia. A amamentação reduz ainda o risco de a mulher desenvolver síndrome metabólica (doenças cardíacas e diabetes) após a gravidez, mesmo quando houve diabetes gestacional.

Mitos sobre a amamentação

– Mito ou verdade: O leite materno pode ser fraco para nutrir o bebê.

Mito. Não há leite materno fraco. O leite materno apresenta composição semelhante em todas as mulheres que amamentam e é o alimento ideal para o bebê, sendo sua ingestão recomendada de forma complementar até os 2 anos de vida ou mais e de forma exclusiva até o 6º mês.

– Mito ou verdade: O leite congelado, mesmo que retirado das mamas, perde os nutrientes.

Mito. Se armazenado adequadamente, o leite pode ser congelado por até 15 dias sem perder suas propriedades e sua qualidade nutricional.

– Mito ou verdade: Quem fez redução mamária ou colocou silicone não pode amamentar.

Mito. A cirurgia nos seios não impede a mulher de amamentar, desde que durante a cirurgia sejam preservadas as estruturas das mamas.

– Mito ou verdade: Seios muito pequenos não produzem leite na quantidade suficiente para o bebê.

Mito. O tamanho da mama não tem relação com a produção de leite. Tanto as mamas grandes quanto as pequenas possuem capacidade de produzir o mesmo volume de leite por dia.

 

Dra. Nathalie Moschetta Monteiro Gil, pediatra e neurologista infantil, prestadora de serviços no Hospital América de Mauá | CRM 163047

 


post_fevereiro-laranja-1200x698.jpg

Oftalmologista do Hospital América de Mauá esclarece o que é o distúrbio e quais os tratamentos

O estrabismo é a perda no alinhamento dos olhos, que pode afetar um olho ou ambos. As causas mais comuns são de origem genética, mas também podem ocorrer por traumatismos, alterações vasculares cerebrais, doenças da tireoide e doenças neurológicas. “Existem quatro tipos de estrabismos quanto à orientação do desvio: Convergentes (para dentro), divergentes (para fora), verticais (para cima ou para baixo) ou torcionais (geralmente com inclinação da cabeça)”, explica a Dra. Renata Bastos Alves, oftalmologista, prestadora de serviços no Hospital América de Mauá.

O estrabismo pode estar presente já no início da vida ou surgir posteriormente, podendo ser assintomático ou o paciente queixar-se de visão dupla. Em qualquer caso em que se perceba a perda do alinhamento ocular, é necessária a avaliação do especialista. “Nas crianças pequenas, o olho desviado tende a não desenvolver a visão adequadamente, o que é chamado ambliopia (“olho preguiçoso”). Além disso, pode haver visão dupla, torcicolos (na tentativa de alinhar os olhos), além da questão estética”, esclarece a especialista.

O tratamento do estrabismo começa pelas correções que provocam o distúrbio. Quanto antes a avalição e o diagnóstico, melhores e mais rápidos são os resultados. “Dependendo da causa, pode variar desde o uso de óculos, até tratamento oclusivo (“tampão”), tratamento da doença de base, quando necessário, associado ou não à cirurgia”, ressalta Alves.

A cirurgia é indicada principalmente se o desvio é estável, e persiste mesmo após o uso de óculos ou controle da doença de base (diabetes, hipertireoidismo). Nos casos congênitos (presentes ao nascimento), a cirurgia pode ser indicada a partir dos 10 meses de vida. Antes da cirurgia, o paciente deve ser avaliado por um médico oftalmologista, especialista em estrabismo, que indicará procedimento cirúrgico, quando necessário. “As cirurgias são realizadas após uma criteriosa avaliação oftalmológica pelo especialista em estrabismo, que, após realizar estudo dos movimentos oculares, define a melhor técnica para a correção do desvio. Pode ser necessária a cirurgia em um ou ambos os olhos, associada ou não ao uso de óculos. No Hospital América temos oftalmologista especialista em estrabismo e disponibilizamos uma ótima estrutura para anestesia geral”, finaliza.

Dra. Renata Bastos Alves | CRM: 83686 | Coordenadora do setor de oftalmologia | Prestadora de serviços no Hospital América de Mauá.



HOSPITAL AMÉRICA

Rua Martin Afonso, 114
Vila Bocaina – Mauá/SP
Telefone: (11) 4544.2085





ACOMPANHE NOSSAS

Redes Sociais



Hospital 2019. Todos os Direitos Reservados.