fbpx
Google_Display_Outubro-Rosa_1200x628px-1200x628.png

Mastologista do Hospital América de Mauá alerta a população sobre a importância da prevenção e do diagnóstico do câncer de mama

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), o câncer de mama é a neoplasia de maior incidência entre as mulheres no mundo todo. No Brasil, estimam-se 59.700 novos casos para 2019, isto é, 56,33 casos a cada 100 mil mulheres. O câncer de mama é um tumor maligno causado pela multiplicação anormal das células da mama. “Há vários tipos de câncer de mama, mas 90% deles ocorrem nos ductos ou nos lóbulos. Quando está em fase inicial, o tumor é chamado “in situ”, mas quando a doença rompe o ducto ou o lóbulo, o tumor passa a ser denominado “invasivo”. O carcinoma ductal invasivo é o tipo mais comum, seguido pelo carcinoma lobular invasivo, sendo que 30% dos casos são bilaterais. Outros tipos menos frequentes são o carcinoma ductal in situ, carcinoma medular, carcinoma mucinoso, carcinoma tubular, entre outros”, explica a Dra. Thais Santarossa, mastologista e prestadora de serviços no Hospital América de Mauá.

O câncer de mama é dividido em quatro estadios ou estágios, conforme o grau de desenvolvimento da doença. “O estadiamento do câncer de mama é baseado no tamanho do tumor, na quantidade de linfonodos axilares comprometidos e na presença de metástases à distância. Atualmente, foram também somados ao estadiamento achados clínicos e imunohistoquímicos. Entre os principais sintomas da doença estão mudanças nas características da mama, como nódulos mamários, alterações na pele da mama (vermelhidão, retração, aspecto casca de laranja), alterações no mamilo, saída de secreção do mamilo, geralmente transparente como “água de rocha” ou sanguinolenta, e nódulos na região da axila. Não é comum sentir dor em casos de câncer”, explica a mastologista.

Todas as mulheres devem fazer acompanhamento anual com o ginecologista e, a partir dos 40 anos, todas devem também fazer o exame de mamografia anualmente. “A mamografia é o principal exame para detectar o câncer de mama. Os demais exames são complementares e indicados de acordo com cada caso, como a ultrassonografia e a ressonância magnética das mamas”, pontua a doutora. O câncer de mama não possui causa única, de modo que diversos fatores estão relacionados ao aumento do risco de desenvolver a doença. “O risco aumenta principalmente com o avançar da idade. A maioria dos cânceres de mama são diagnosticados em mulheres acima de 55 anos. Apenas 5% a 10% dos casos são hereditários, ou seja, causados por defeitos genéticos herdados”, destaca a médica. Por meio de exame clínico anual com o ginecologista e/ou mastologista, é possível, juntamente com a mamografia, fazer o diagnóstico precoce do câncer de mama e indicar o melhor tratamento para cada caso. “O tratamento adequado depende do estadio da doença, mas basicamente consiste em cirurgia, quimioterapia e hormonioterapia. O câncer de mama tem cura, principalmente se diagnosticado em estadio inicial. Por isso é muito importante que as mulheres realizem exames de rotina anualmente”, finaliza.

Em caso de dúvidas, consulte sempre seu médico.

Dra. Thais Santarossa, mastologista e prestadora de serviços no Hospital América de Mauá | CRM 125166


HOSPITAL AMÉRICA

Rua Martin Afonso, 114
Vila Bocaina – Mauá/SP
Telefone: (11) 4544.2085





ACOMPANHE NOSSAS

Redes Sociais






Hospital 2019. Todos os Direitos Reservados.