fbpx

Miomas Uterinos – Ginecologista do Hospital América de Mauá alerta sobre as causas, sintomas e tratamentos

18/03/2020
15-MAR-I-1200x888.jpg

O mioma, também conhecido como fibroma ou leiomioma, é uma tumoração benigna que acomete o útero e atinge cerca de 50% das pacientes entre 30 e 50 anos, muito raramente estando associado com malignidade. Não existe uma causa exata para o surgimento de miomas, mas alterações genéticas e fatores hormonais parecem contribuir. “Sabemos que fatores como a hereditariedade e raça contribuem para seu aparecimento. Apesar das pesquisas, não existem evidências comprovadas de que haja alguma forma de prevenção” explica o Dr. Ricardo Barbosa Diniz, diretor clínico e ginecologista no Hospital América de Mauá.

O mioma pode ser assintomático ou apresentar diversos sintomas distintos, entre eles fraqueza acompanhada de anemia, devido a sangramentos excessivos. “Podemos ter diferentes localizações para o mioma uterino, e esse é um dos motivos causadores de diferentes sintomas”, pontua o médico.

O mioma, de acordo com sua localização, recebe denominações específicas. “Quando o tumor está localizado dentro da cavidade uterina, é chamado de mioma submucoso, geralmente sendo responsável por sangramentos intensos e, em casos extremos, podendo ser expelido pelo organismo (mioma parido); quando o tumor se localiza no miométrio (musculatura uterina), é conhecido como mioma intramural e, além de ser o mais frequente, pode estar relacionado à sensação de peso, aumento do fluxo menstrual e aumento do volume uterino; já o mioma subseroso se dá quando o tumor está localizado na porção externa do útero (dentro da cavidade abdominal) e pode ser pediculado ou não, usualmente não estando relacionado a grandes perdas de sangue”, ressalta o doutor.

O diagnóstico do mioma é feito pela análise do quadro clínico da paciente, atentando-se para sinais e sintomas, e por meio da realização de exame de ultrassonografia. Em alguns casos, pode ser preciso complementar o diagnóstico com ressonância nuclear magnética e/ou histeroscopia. “O tratamento vai depender da idade e dos sintomas da paciente, bem como da localização e do tamanho do mioma. É importante avaliar se há desejo de ter filhos, individualizando o tratamento de cada paciente. O mioma pode ser tratado com o uso de anticoncepcional (preferencialmente à base de progesterona), DIU de progesterona, anti-inflamatórios análogos (medicação que simula um quadro de menopausa) e cirurgicamente. Várias são as técnicas cirúrgicas que podem ser utilizadas, e elas dependerão de cada caso. O procedimento pode ser feito por videolaparoscopia, hemodinâmica (embolização), histeroscopia, robótica ou laparotomia (cirurgia convencional). Nem sempre o útero poderá ser preservado”, esclarece o especialista.

Dr. Ricardo Barbosa Diniz | Diretor clínico e coordenador do serviço de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital América de Mauá | CRM 83689


HOSPITAL AMÉRICA

Rua Martin Afonso, 114
Vila Bocaina – Mauá/SP
Telefone: (11) 4544.2085





ACOMPANHE NOSSAS

Redes Sociais






Hospital 2019. Todos os Direitos Reservados.