fbpx

BLOG HOSPITAL

09NOV-F-1200x888.png

Uma dieta balanceada é a solução para manter o sistema imunológico em dia

O sistema imunológico é responsável pelo reconhecimento e pelo combate de micro-organismos invasores patogênicos (bactérias e vírus), evitando, assim, o desenvolvimento de doenças e diminuindo a ocorrência de possíveis sintomas. De acordo com Barbara Costa de Oliveira, nutricionista clínica do Hospital América de Mauá, para assegurar o funcionamento adequado do nosso sistema imunológico, é de extrema importância garantir a ingestão dos nutrientes necessários, por isso nossa dieta deve ser bastante diversificada e colorida, já que as cores dos alimentos indicam qual o nutriente que possuem em maior quantidade. “Devemos levar em consideração que os macro e micronutrientes são essenciais para o bom funcionamento do organismo de uma forma geral. Se um indivíduo não se alimentar bem, poderá ter disfunção nas ações do seu sistema imunológico, o que o deixará mais susceptível ao ataque de micro-organismos patológicos (doenças)”, explica.

Macronutrientes e micronutrientes

Macronutrientes

Proteínas: presentes em carne vermelha (prefira as carnes mais magras), carne suína, aves e peixes (os de água fria, como salmão, sardinha, atum, truta etc., são ricos em ômega 3);

Carboidratos: dê prioridade aos complexos, como arroz integral, batata-doce, aveia, pães integrais, entre outros. Os alimentos integrais são ricos em fibras e auxiliam no bom funcionamento do intestino e na redução dos níveis de colesterol, além de evitar picos glicêmicos, que têm ação inflamatória no organismo;

Lipídios (óleos): existem diversos tipos de óleos disponíveis no mercado, cada um deles com um tipo de benefício para a saúde. Deve-se atentar, porém, para quando utilizá-los: em preparações quentes, como frituras e refogados, prefira banha de porco ou óleo de coco; em saladas ou preparações que não precisam ir ao fogo, use óleo de canola, azeite extravirgem e óleo de girassol.

Micronutrientes

São as vitaminas e os minerais, que desempenham um papel fundamental no bom funcionamento do sistema imunológico.

Vitamina C: presente principalmente nas frutas cítricas, como laranja, acerola, kiwi e tomate, pode ser encontrada também no brócolis, na couve e no pimentão verde e vermelho, que são ricos em antioxidante e aumentam a resistência do organismo;

Ácido fólico: auxilia na formação de glóbulos brancos, responsáveis pela defesa do organismo. Esse nutriente está presente em maior concentração em alimentos verde- escuros, como escarola, brócolis, couve, espinafre, entre outros;

Zinco: auxilia no tratamento de doenças de alta gravidade, como AIDS, artrite reumatoide e lúpus. A deficiência desse nutriente é prejudicial para a digestão e para o paladar, pois pode provocar a redução da percepção do gosto e, portanto, a diminuição do apetite. O zinco está presente em maiores quantidades em nozes, ovos, farinha de trigo integral, carnes bovinas, peixes, aves, leite e derivados, mariscos e feijão.

Licopeno: presente em alimentos com coloração avermelhada, como tomate, cenoura, goiaba, caqui, cereja etc. É um forte aliado no combate de doenças cardiovasculares, pois colabora para a remoção de radicais livres do organismo, que são compostos que contribuem para o envelhecimento celular e deixam o corpo mais propício a desenvolver doenças.

Vitamina A: presente em alimentos de coloração avermelhada e também em carnes, principalmente em vísceras, como fígado, moela e coração, é responsável por diversas funções no organismo, como manter a saúde da visão, da pele e dos cabelos, fortalecer o sistema imunológico e garantir o bom funcionamento dos órgãos reprodutivos. Por ter ação antioxidante, também é importante na prevenção do envelhecimento precoce, de doenças cardiovasculares e de câncer.

Ainda segundo a nutricionista, para manter o equilíbrio do organismo, os nutrientes devem ser ingeridos regularmente, por isso é importante ter uma rotina alimentar adequada, sempre priorizando o consumo de alimentos de acordo com os benefícios que podem trazer em cada estação do ano. “Por exemplo, no outono e inverno, as frutas cítricas, que são ricas em vitamina C, auxiliam na prevenção de resfriados. No verão, a água de coco, que é rica em eletrólitos, auxilia a manter uma hidratação de qualidade. Frutas como melão, melancia, limão e maçã são ricos em potássio, magnésio e vitamina B6, que auxiliam na diminuição da retenção de líquidos. Já os leites fermentados e o kefir são ricos em probióticos e auxiliam na manutenção do equilíbrio da microbiota intestinal, evitando a proliferação de micro-organismos”, conclui a especialista.

 


Google_Display_cardiológico_1200x628px-1200x628.png

As doenças cardiovasculares estão entre as principais causas de morte no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), mas muitas delas poderiam ser evitadas com a avaliação de um médico cardiologista, exames preventivos e orientações para uma vida mais saudável.

Com o objetivo de prevenir e diagnosticar doenças cardíacas, o Hospital América lança mais um pacote de consulta e exames, o Na Sua Medida – Check-up Cardiológico, que inclui consulta, retorno com o especialista e exames com preços acessíveis. Para atender as necessidades específicas de cada faixa etária, o programa é divido em dois pacotes:  pacientes com até 40 anos e pacientes acima de 40 anos.

Todos os exames são realizados no próprio Hospital América, o que, além de proporcionar mais comodidade ao paciente, evita custos com deslocamentos, reduz o tempo de coleta e agiliza a liberação dos resultados.

O agendamento é realizado através da nossa Central de Atendimento, pelo telefone: (11) 4544-2085, pelo nosso site ou pessoalmente na recepção do Hospital América. O valor do pacote pode ser parcelado em até 5 vezes sem juros nos cartões de crédito (Visa, Mastercard, Hipercard, American Express e Elo).

Confira o que está incluso em cada pacote do programa:

Pacientes com até 40 anos 

  • Eletrocardiograma
  • Raio X de tórax PA
  • Ecocardiograma
  • Hemograma completo
  • Creatinina
  • Potássio
  • Colesterol total e frações
  • Triglicérides
  • Glicemia de Jejum
  • Hemoglobina glicada
  • Teste ergométrico

Pacientes acima de 40 anos

  • Eletrocardiograma
  • Raio X de tórax PA
  • Ecocardiograma
  • Hemograma completo
  • Creatinina
  • Potássio
  • Colesterol total e frações
  • Triglicérides
  • Glicemia de Jejum
  • Hemoglobina glicada
  • Teste ergométrico
  • USG de carótidas

 Faça seus exames regularmente e sempre consulte um cardiologista.

 

 


07_OUT_Face-1200x888.png

Cardiologista do Hospital América de Mauá alerta sobre os efeitos da mistura

É cada vez mais comum entre os jovens o consumo de bebidas alcoólicas misturadas com energéticos. À primeira vista, essa combinação pode parecer benéfica, já que o energético, além de disfarçar o sabor das bebidas destiladas, dá mais energia. No entanto, não é bem isso o que acontece, por isso recomenda-se atenção para os efeitos dessa mistura.

As bebidas energéticas têm como função aumentar o estado de alerta do corpo e da mente e, apesar de sua composição variar de acordo com as diversas marcas disponíveis no mercado, são constituídos basicamente por taurina, cafeína e glucoronolactona.  “A taurina é um aminoácido naturalmente presente no cérebro, nos músculos e no coração. Sua função é elevar a força de contração do músculo cardíaco e acelerar a ação da insulina, aumentando o metabolismo da glicose (açúcar) e o anabolismo. Já a cafeína é classificada como xantina, também presente em tecidos do corpo humano, e atua principalmente sobre o sistema nervoso central e cardiovascular, melhorando a memória, o raciocínio, a força de contração do músculo cardíaco e provocando dilatação dos vasos periféricos. A glucoronolactona, por sua vez, é uma substância sintetizada em nosso corpo a partir da glicose e auxilia nos processos de eliminação de toxinas endógenas e exógenas. Na atividade física, ela age como um desintoxicante, diminuindo a fadiga e melhorando a performance. Como a glucoronolactona é um tipo de carboidrato biossintetizado a partir da glicose, pode ser encontrado também no vinho tinto, em cereais, na maçã e na pera, sendo essencial para a desintoxicação e o metabolismo no fígado de uma ampla variedade de xenobióticos e medicamentos, posteriormente excretados (liberados) na urina”, explica Dr. Eduardo Moreira dos Santos, cardiologista clínico e intervencionista e prestador de serviços no Hospital América de Mauá.

Nos rótulos de bebidas energéticas, é explícita a recomendação de não ingeri-las com nenhum tipo de bebida alcoólica, mas frequentemente são consumidas com vodca e whisky. “Essa mistura é dose-dependente, isto é, a dose ingerida está diretamente relacionada com seus efeitos, que também são influenciados pela tolerância de cada indivíduo. No geral, o consumo acima de 500 mL de energético em um curto espaço de tempo o torna prejudicial. Principalmente quando associado ao álcool, o consumo excessivo de bebida energética pode causar palpitações, arritmias e até mesmo óbito em portadores de doença cardíaca, dependendo da dose consumida, do intervalo de tempo em que as substâncias foram ingeridas e da sensibilidade de cada indivíduo. A depender da dose de energético e álcool consumidos, pessoas saudáveis também podem apresentar problemas cardíacos, com a ocorrência dos mesmos sintomas. Já em relação ao cérebro, o consumo de baixas doses de energético pode aumentar o estado de alerta, mas  a ingestão exagerada e associada ao álcool acelera a morte de neurônios e altera a percepção do estado de embriaguez, o que coloca quem ingere sob maior risco de sofrer acidentes, uma vez que provoca uma falsa impressão de que a capacidade motora está preservada”, ressalta o cardiologista.

Para analisar os efeitos do consumo excessivo de energéticos com bebidas alcoólicas, pesquisadores da Universidade Purdue, em Indiana, nos EUA, fizeram testes com o cérebro de ratos e observaram alterações químicas semelhantes às causadas pela cocaína. Outro estudo, realizado pela Universidade de Victoria, no Canadá, aponta que essa combinação aumenta a possibilidade de envolvimento em acidentes e brigas, já que a cafeína faz com que as pessoas se sintam mais despertas e propensas a beber mais.

Dr. Eduardo Moreira dos Santos, cardiologista clínico/intervencionista e prestador de serviços no Hospital América de Mauá.


Google_display_Monóxido_1200x628px-1200x628.png

Atualmente, têm sido veiculadas na imprensa diversas reportagens sobre pessoas que inalaram monóxido de carbono e foram a óbito. Segundo o Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS), São Paulo contabiliza, desde 2000, 122 mortes do tipo, sendo o estado que mais registrou mortes por inalação de gás nesse período.  O monóxido de carbono é produzido quando combustíveis, como gás, madeira e carvão, são queimados, podendo também se acumular quando aquecedores e aparelhos de cozimento a gás falham ou não apresentam ventilação adequada. Trata-se de um gás inodoro e incolor, por isso pode ser inalado sem que a pessoa perceba. Entre os sintomas associados ao envenenamento, estão dores de cabeça, tontura, fraqueza, dores abdominais, vômito, dor no peito e confusão mental.

De acordo com a Dra. Maria Bernadette Zambotto, médica e prestadora de serviços no Hospital América de Mauá, a intoxicação por monóxido de carbono pode levar à morte em minutos. “O monóxido de carbono (CO) é um gás formado por um átomo de carbono e um átomo de oxigênio. É incolor, sem cheiro, sem sabor e inflamável. Sua emissão pode ocorrer por fontes naturais ou antrópicas (causadas pelo homem), sendo 60% de toda a massa emitida decorrente da ação humana. Entre as fontes naturais de emissão, estão atividade vulcânica, descargas elétricas e combustão de gás natural.  Entre as fontes antrópicas, que são também as mais poluentes, destaca-se a combustão de madeira, como no caso de queimadas, e de derivados de petróleo, utilizados nos combustíveis de veículos. Um dado aterrorizante sobre o monóxido de carbono foi sua utilização nas câmaras de gás nos campos de concentração nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. Isso se deu justamente devido à sua letalidade, já que ao ser inalado o monóxido de carbono se liga à hemoglobina, ocupando o lugar do oxigênio (O2). A afinidade da hemoglobina é 240 vezes maior com o CO do que com o O2, então a menor oferta de O2 acaba rapidamente levando à morte por asfixia. Além disso, a exposição frequente a baixas concentrações de CO também pode acarretar diversos distúrbios na saúde, tais como insônia, dor de cabeça, náuseas, vômito, distúrbios visuais, alterações auditivas, doenças respiratórias, perda de apetite e problemas cardíacos. No Brasil, por meio de órgãos como a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB), a concentração de CO na atmosfera é constantemente medida. A partir de 9 ppm (partículas por milhão), a qualidade do ar já é considerada preocupante. Acima de 15 ppm, a qualidade do ar é considerada crítica”, explica a doutora.

 


Capturar-1200x621.jpg

Cardiologista do Hospital América de Mauá alerta sobre cuidados com o coração

Idealizada em 2014 pelo Instituto Lado a Lado pela Vida, a campanha visa promover a conscientização da população em relação a doenças cardíacas, já que o número de óbitos relacionados ao coração chega a 43% no mundo. O mês de setembro foi escolhido justamente por ser quando é celebrado o Dia Mundial do Coração, no dia 29. A má alimentação, principalmente o consumo excessivo de carboidrato simples (presentes em alimentos com farinha branca), de gorduras saturadas de origem animal, de sal e de bebidas alcoólicas, contribui para o desenvolvimento de doenças como diabetes, dislipidemia (problemas de colesterol) e hipertensão arterial, condições que, a longo prazo, aumentam as chances de infarto. “O sedentarismo e o tabagismo também são hábitos que devem ser abolidos, uma vez que aumentam significativamente as taxas de doenças cardiovasculares. Pessoas que nunca sofreram eventos cardíacos e que não têm histórico familiar de doença cardíaca entre pais e/ou irmãos, devem passar por avaliação cardiológica a partir dos 35 anos de idade. Aqueles com histórico de doenças cardíacas entre pais e/ou irmãos devem ser avaliados a partir dos 30 anos. Na consulta com o cardiologista, o médico determinará quais exames complementares deverão ser realizados e qual a periodicidade das futuras avaliações”, explica Dr. Eduardo Moreira dos Santos, cardiologista clínico e intervencionista e prestador de serviços no Hospital América de Mauá.

O aumento dos triglicérides, apesar de não influenciar diretamente no surgimento de doenças cardíacas, frequentemente está relacionado ao aumento das taxas de açúcar no sangue, que  contribui para a manifestação de diabetes, pré-diabetes e intolerância à glicose, importantes fatores de risco para as doenças cardíacas, assim como a dislipidemia, isto é, o aumento dos colesteróis maléficos ao coração (LDL).

O infarto é a principal causa de morte por doença cardíaca e uma das principais causas de morte em todo o mundo. Em 2030, estima-se que o Brasil será um dos campeões mundiais em números de infarto, por isso é urgente que a população saiba identificar os sintomas. “Habitualmente, o infarto se manifesta pela angina, que provoca dor intermitente ou grande desconforto no peito, como sensação de pressão ou queimação. Essa dor também pode irradiar para os membros superiores e para a mandíbula. A angina costuma ter início enquanto o paciente se encontra em repouso e tem duração prolongada, geralmente maior que 20 minutos. No entanto, médicos e pacientes devem estar atentos a algumas populações específicas que podem não manifestar os sintomas típicos de infarto descritos acima. Mulheres, idosos e diabéticos podem sentir apenas um desconforto torácico inespecífico ou dispneia (sensação de falta de ar) e, em alguns casos, podem sofrer infarto sem apresentar sintoma nenhum. Sendo assim, ao reconhecer algum dos sintomas, o paciente deve encarar como um sinal de alerta, buscando atendimento médico o mais rápido possível, de forma a agilizar o diagnóstico e receber o tratamento adequado o quanto antes”, ressalta o cardiologista.

A idade é um fator que também afeta diretamente nas taxas de sobrevivência ao infarto. Como o processo de acúmulo de gordura na parede dos vasos sanguíneos se inicia desde a infância e vai até o final da vida, pode-se assumir que quanto maior a idade, maior a propensão de um indivíduo sofrer infarto. “Pacientes com mais de 75 anos têm maior taxa de mortalidade que pacientes mais jovens. A qualidade de vida do paciente antes de sofrer o evento cardiovascular também influencia em sua sobrevida futura, principalmente no que se refere à reabilitação cardiovascular após o infarto, uma vez que uma pessoa com hábitos saudáveis possui maior capacidade de realizar exercícios físicos, o que facilita a reabilitação”, pontua o especialista.

O sedentarismo também é um grande fator de risco para doenças cardiovasculares, por isso a atividade física deve ser priorizada na rotina do dia a dia. “Idealmente, todos nós devemos realizar, no mínimo, 30 minutos de atividades físicas aeróbicas (como caminhada, bicicleta ou corrida) cinco vezes por semana. Sempre que possível, a associação com exercícios anaeróbicos também deve ser feita, sob orientação médica, com a finalidade de proporcionar fortalecimento muscular e melhora da capacidade de desempenhar atividade física aeróbica”, finaliza o médico.

Dr. Eduardo Moreira dos Santos, cardiologista clínico, intervencionista e prestador de serviços no Hospital América de Mauá.



As doenças cardiovasculares estão entre as principais causas de morte no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), mas muitas delas poderiam ser evitadas com a avaliação de um médico cardiologista, exames preventivos e orientações para uma vida mais saudável.

Com o objetivo de prevenir e diagnosticar doenças cardíacas, o Hospital América lança mais um pacote de consulta e exames, o programa Na Sua Medida Check-up do Coração, que inclui consulta, retorno com o especialista e exames com preços acessíveis. Para atender as necessidades específicas de cada faixa etária, o programa é divido em dois pacotes:  pacientes com até 40 anos e pacientes acima de 40 anos.

Todos os exames são realizados no próprio Hospital América, o que, além de proporcionar mais comodidade ao paciente, evita custos com deslocamentos, reduz o tempo de coleta e agiliza os resultados.

O valor do pacote pode ser parcelado em até 5 vezes sem juros nos cartões de crédito (Visa, Mastercard, Hipercard, American Express e Elo), e o agendamento deve ser realizado por meio da Central de Atendimento: (11) 4544-2085.

O hospital conta ainda com estacionamento gratuito para pacientes que forem marcar ou realizar consultas, facilitando o acesso e garantindo tranquilidade no processo.

Confira o que está incluso em cada pacote do programa:

Pacientes com até 40 anos 

  • Eletrocardiograma
  • Raio X de tórax PA
  • Ecocardiograma
  • Hemograma completo
  • Creatinina
  • Potássio
  • Colesterol total e frações
  • Triglicérides
  • Glicemia de Jejum
  • Hemoglobina glicada
  • Teste ergométrico

Pacientes acima de 40 anos

  • Eletrocardiograma
  • Raio X de tórax PA
  • Ecocardiograma
  • Hemograma completo
  • Creatinina
  • Potássio
  • Colesterol total e frações
  • Triglicérides
  • Glicemia de Jejum
  • Hemoglobina glicada
  • Teste ergométrico
  • USG de carótidas

 Faça seus exames regularmente e sempre consulte um cardiologista.


post-cirurgia-cardíaca-minimamente-invasiva-1200x698.jpg

Procedimento é realizado através de incisão na parede lateral do tórax.

Nos últimos anos, as tecnologias e os tratamentos na área da medicina estão evoluindo aceleradamente. Procedimentos, técnicas e alternativas mais eficazes surgem a todo momento, com o propósito de assegurar mais qualidade de vida aos pacientes. A cirurgia cardíaca minimamente invasiva é um método que oferece a máxima preservação da anatomia, com a mínima agressão ao organismo. “A cirurgia cardíaca minimamente invasiva envolve duas situações, a primeira delas é a possibilidade da realização dos procedimentos cardíacos utilizando como via de acesso outras incisões que não a clássica abertura do osso esterno. E a segunda situação é a possibilidade de corrigir defeitos na superfície do coração, sem a utilização do chamado BYPASS cardiopulmonar, ou seja, a cirurgia é feita com o coração batendo. Essas duas situações em conjunto ou realizadas de forma separada caracterizam os procedimentos chamados de minimamente invasivos”, explica o Dr. João Roberto Breda, cirurgião cardiovascular, prestador de serviços no Hospital América de Mauá.

Com a realização da cirurgia minimamente invasiva, é possível tratar doenças cardíacas como: revascularização miocárdica, reparo ou substituição de válvulas cardíacas, correção de defeitos congênitos intracardíacos. “A cirurgia a ser realizada vai depender fundamentalmente do diagnóstico que está motivando a intervenção. Por exemplo, podemos realizar uma cirurgia de revascularização do miocárdio com uma incisão na parede lateral do tórax e manter o coração batendo durante todo o procedimento. Ou ainda, podemos reparar ou substituir uma válvula cardíaca com pequenas incisões na parede lateral do tórax e, apesar da necessidade do BYPASS cardiopulmonar nesta situação, o procedimento é de menor invasão por não envolver abertura do osso esterno”, esclarece o médico.

Os pacientes com indicação para tratamento cirúrgico geralmente recebem avaliação decisiva após a realização de um cateterismo cardíaco ou ecocardiograma. “A indicação precisa ser estudada individualmente, caso a caso, envolvendo fatores como o diagnóstico pré-operatório, as condições físicas e anatômicas do paciente e análise criteriosa de exames de imagem em preparação para o procedimento”, lembra o especialista.

Esta técnica, quando utilizada em cirurgia cardíaca, traz inúmeros benefícios ao paciente. “Os potenciais benefícios são: menor tempo de internação, menor risco de sangramento e de infecção, menor necessidade de transfusão sanguínea, menos dor pós-operatória, retorno precoce às atividades habituais e melhor resultado estético”, pontua o cirurgião.

No Hospital América, os pacientes encontram o serviço de hemodinâmica para realização de cateterismo cardíaco, arteriografia cerebral, de tronco ou de membros, seja para diagnóstico ou tratamento de doenças com a implantação de stents coronarianos, embolizações de tumores, bem como o tratamento de aneurismas.

A cirurgia cardíaca tradicional, com abertura de tórax por esternotomia, é empregada há décadas, porém, requer um tempo longo de internação. “Existem diferenças em relação à cirurgia tradicional e à minimamente invasiva. Por exemplo, o local e o tamanho das incisões, além do fato de não envolver abertura total do osso esterno. Muitos trabalhos têm evidenciado que este procedimento apresenta benefícios em termos de recuperação do paciente, que retornará mais precocemente às suas atividades”, finaliza.

 

Dados do especialista 
Prof. Dr. João Roberto Breda | PROFESSOR ADJUNTO DE CIRURGIA CARDIOVASCULAR DA UNIFESP (UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO) | RESPONSÁVEL PELO SERVIÇO DE CIRURGIA CARDIOVASCULAR DO HOSPITAL AMÉRICA | CRM 83668

Assessoria de imprensa
Carolina Serra
(11) 2677.6715
imprensa@m112.com.br



HOSPITAL AMÉRICA

Rua Martin Afonso, 114
Vila Bocaina – Mauá/SP
Telefone: (11) 4544.2085





ACOMPANHE NOSSAS

Redes Sociais






Hospital 2019. Todos os Direitos Reservados.