fbpx

BLOG HOSPITAL

post_doencas-do-inverno-1200x698.jpg

Doenças do Inverno

Com a chegada do inverno, para nos protegermos do frio, as janelas costumam ficar fechadas com mais frequência, o que reduz a circulação de ar nos ambientes. Além disso, evitamos locais abertos e tendemos a nos concentrar em maiores aglomerações. Todos esses fatores facilitam a propagação de vírus e bactérias que causam inúmeras doenças. A seguir, o Dr. Claudio Roberto Gonsalez, infectologista e prestador de serviços no Hospital América de Mauá, destaca as doenças mais comuns nessa época do ano e quais os cuidados necessários para evitá-las.

    • Pneumonia – infecção aguda dos pulmões causada por bactérias, vírus ou fungos. Pode surgir após uma gripe ou uma crise de bronquite severa. Os sintomas dependem da intensidade do quadro, mas normalmente caracterizam-se por tosse, febre, falta de ar, expectoração e queda do estado geral. Frequentemente é necessário utilizar antimicrobianos.
    • Alergias – são causadas por reações do próprio organismo a diversos elementos, como pelos de animas, mofo, poeira, perfumes etc. Causam inúmeros sintomas, entre eles espirros, coceira e tosse. O tratamento é específico para cada caso, e a prevenção pode ser feita mantendo os ambientes ventilados e limpos e evitando o contato com substâncias que podem desencadear alergia. Com a chegada do frio, costumamos usar roupas que passaram muito tempo guardadas e que, por isso, abrigam ácaros que podem ocasionar crises alérgicas. Antes de utilizá-las, portanto, é recomendado higienizá-las.
    • Asma – inflamação dos pulmões e vias aéreas relacionada a processos alérgicos ou de hipersensibilidade. É mais comum em crianças, embora também acometa adultos. Os principais sintomas são chiados no peito, tosse e sensação de falta de ar. O tratamento é feito com broncodilatador e, como forma de prevenção, deve-se eliminar a poeira doméstica ou outros desencadeadores.
    • Amidalite e/ou Faringite – causada por vírus ou bactérias, é uma inflamação das amídalas cujos sintomas são dor de garganta ao engolir, mau hálito e febre. O tratamento é feito com anti-inflamatórios e, por vezes, antimicrobianos. Para se prevenir, é recomendado evitar mudanças bruscas de temperatura.
    • Bronquite – é uma inflamação dos brônquios, o que dificulta a chegada de ar aos pulmões. Causa tosse seca com chiado, seguida de tosse com catarro. O tratamento é feito com utilização de vaporizadores, analgésicos, descongestionantes nasais, hidratação e, por vezes, antimicrobianos. Para se prevenir da doença, o cigarro deve ser evitado.
    • Otite – é causada por vírus ou bactérias que infectam a garganta e migram até o ouvido, provocando febre, dor de ouvido e de garganta. É bastante comum em crianças. O tratamento é feito com antibióticos e analgésicos, e a prevenção pode ser feita mantendo as vias aéreas limpas.
    • Rinite – causada por irritação ou inflamação da mucosa do nariz, é uma das doenças alérgicas mais comuns. Causa espirros, coriza, coceira e congestionamento nasal. O tratamento é feito com medicamentos e vacinas antialérgicas. Para se prevenir, é aconselhável manter o ambiente limpo e arejado.
    • Sinusite – é uma inflamação dos seios nasais, que são cavidades no crânio ao redor do nariz e que servem para umidificar e aquecer o ar inspirado, bem como reter partículas e germes existentes no ar. Provocada por alergias ou infecções por vírus ou bactérias, causa dor de cabeça, pálpebras inchadas, nariz entupido, secreção nasal e dor nos olhos. O tratamento pode ser feito com corticoides, descongestionantes e antibióticos, no caso de infecção bacteriana.
    • Meningite – causada por vírus e bactérias, é um quadro grave cujos sintomas são febre, dor de cabeça, vômito, diminuição do nível de consciência e, algumas vezes, manchas na pele. Dentre as doenças de inverno mais comuns, esta é a mais grave, pois há maior índice de morte e sequelas. O tratamento normalmente exige a administração de antibióticos e internação hospitalar.
    • Gripe – muito conhecida entre nós, manifesta-se por febre, espirros, dor de cabeça, dores no corpo, falta de ar, coriza e pode predispor a pneumonia. Seu tratamento, na maioria dos casos, é sintomático, já que os sintomas diminuem gradualmente.
    • Cuidados necessários para evitar as doenças de inverno
      Hábitos saudáveis são fundamentais sempre. Boa alimentação, hidratação, prática de atividade física e uma boa noite de sono são recomendações indispensáveis para fortalecer o corpo e se prevenir de doenças. Também é aconselhável evitar o consumo de cigarro e de bebidas alcoólicas, manter os ambientes bem ventilados e evitar grandes aglomerações sem boa ventilação. Bons hábitos de higiene também são essenciais, como lavar frequentemente as mãos. Manter as vacinas em dia também é um aspecto importante. De maneira geral, as vacinas são indicadas a todos, e muitas dessas doenças de inverno podem ser evitadas por meio da vacinação (meningite, pneumonia e gripe). No caso da gripe, a vacina protege dos casos de Influenza A (incluindo H1N1) e Influenza B.
      Evite sempre a automedicação! Somente a avaliação médica poderá indicar o diagnóstico correto e o melhor tratamento para cada caso.
    • Sobre a automedicação
      A automedicação é contraindicada em qualquer caso, desde os mais simples até os mais graves. O uso inadequado de medicação, além de não ajudar no tratamento, pode prejudicar alguns quadros e até mesmo levar à morte.

Dr. Claudio Roberto Gonsalez | Infectologista, prestador de serviços do Hospital América de Mauá | CRM –SP   57.166 | Membro do Serviço de Controle de Infecções Relacionadas a Assistência à Saúde do Hospital América.


post-dezembro-vermelho-1200x698.jpg

Você sabia?

  • Que o objetivo da Campanha Dezembro Vermelho tem como intuito chamar atenção para as medidas de prevenção, assistência, proteção e promoção dos direitos humanos das pessoas vivendo com HIV. A escolha do mês foi em função do Dia Mundial contra a AIDS, celebrado no mundo inteiro em 1º de dezembro.
  • Que o HIV é o vírus que causa a doença, e Aids é a doença provocada pela ação deste vírus no organismo. O HIV é notificado no momento do resultado do teste, se positivo. A Aids é notificada se o indivíduo aparece no hospital com alguma doença oportunista (como câncer ou infecções) ou com a imunidade muito baixa.
  • Que o vírus pode ser detectado por exames de sangue e saliva.
  • No Hospital América temos todos os exames necessários para diagnosticar e acompanhar pessoas infectadas.
  • Os sintomas iniciais após a transmissão assemelham-se a um quadro viral como uma gripe ou resfriado. Após alguns anos sem tratamento sintomas gerais como emagrecimento, febre, diarreia e aparecimento de outras doenças infecciosas ou cânceres podem surgir devido à baixa imunidade.
  • Casais infectados com o vírus podem ter filhos e métodos seguros de concepção são garantidos pelo governo, para que possam conceber crianças sem a infecção pelo HIV.
  • Os indivíduos infectados que fazem o tratamento regular e acompanhamento nas consultas médicas com o infectologista podem exercer todas e quaisquer atividades que uma pessoa saudável e sem a doença fariam.
  • Em 2017, havia 36,9 milhões [31,1 milhões–43,9 milhões] de pessoas vivendo com HIV em todo mundo. Na América Latina cerca de 1,8 milhão [1,5 milhão–2,3 milhões] de pessoas vivem com HIV. No Brasil a taxa de infecção vem aumentando nos últimos anos, sobretudo na população jovem.

Mitos e verdades sobre a Aids

Não adquirimos a infecção pelo HIV das seguintes formas listadas:

  • Sexo desde que se use corretamente a camisinha;
  • Beijo no rosto ou na boca;
  • Suor e lágrima;
  • Picada de inseto;
  • Aperto de mão ou abraço;
  • Compartilhamento de sabonete/toalha/lençóis;
  • Talheres/copos;
  • Assento de ônibus;
  • Piscina;
  • Banheiro;
  • Doação de sangue;
  • Pelo ar.

Assim pega:

  • Sexo vaginal sem camisinha;
  • Sexo anal sem camisinha;
  • Sexo oral sem camisinha;
  • Uso de seringa por mais de uma pessoa;
  • Transfusão de sangue contaminado;
  • Da mãe infectada para seu filho durante a gravidez, no parto e na amamentação;
  • Instrumentos que furam ou cortam não esterilizados.


Dr. Leopoldo Trevelin | Infectologista | CRM 133980 | Prestador de serviços no Hospital América de Mauá. 


post_primavera-1200x698.jpg

A primavera chegou trazendo um tempo seco, poluição e pólens. Este processo de mudança climática traz impactos que demandam cuidados específicos na saúde. Confira a seguir algumas dicas relacionadas a estação:

  • Clima seco e o contato com os pólens das flores, são fatores predisponentes para as doenças que acometem as vias aéreas como: rinite, sinusite, asma brônquica e pneumonias;
  • Mudança brusca de temperatura e umidade contribuem para o surgimento de patologias como: faringite, laringite, asma, pneumonia, amidalites e otites;
  • Pacientes com doenças crônicas precisam de acompanhamento ambulatorial. Evite aglomerações, mantenha as vacinas em dia, principalmente crianças e idosos. Tenha atenção a qualquer sinal de acometimento das vias aéreas;
  • Tenha cuidados com a alimentação e a hidratação;
  • Prefira uma alimentação leve (carne, frutas e legumes);
  • Use roupas leves, chapéus, bonés e protetores solares diariamente (independente de exposição aos raios solares direta ou indiretamente);
  • Evite exposição a luz solar no horário das 10 às 15h (luz ultravioleta);
  • Nos dias secos use umidificador de ar nos ambientes. Não esqueça a manutenção do filtro do ar-condicionado (fonte de bactérias).

Dr. Reginaldo Amaral Batista | Pneumologista | CRM 43636 | Prestador de serviços no Hospital América de Mauá.



HOSPITAL AMÉRICA

Rua Martin Afonso, 114
Vila Bocaina – Mauá/SP
Telefone: (11) 4544.2085





ACOMPANHE NOSSAS

Redes Sociais






Hospital 2019. Todos os Direitos Reservados.