fbpx

BLOG HOSPITAL

Slime_800x800px.png

O slime está em alta entre as crianças e até mesmo entre os adolescentes, mas, apesar de aparentar ser inofensivo, trata-se de uma mistura de compostos químicos, como o borato de sódio, mais conhecido como bórax. Por toda a química envolvida, é necessário que sejam tomadas algumas medidas de segurança para que crianças e adolescentes possam brincar sem comprometer a saúde. “O bórax, utilizado como ativador do slime, pode ser encontrado no nosso dia a dia, como em fertilizantes, produtos de limpeza e até mesmo em medicamentos, mas em concentrações e manipulações adequadas para não gerar nenhum efeito adverso. O maior risco para as crianças, em termos de intoxicação, está relacionado ao tempo de manipulação e à ingestão dessa substância, bem como à inalação ou não durante sua manipulação”, explica a Dra. Nathalie Moschetta Monteiro Gil, pediatra e neurologista infantil, prestadora de serviços no Hospital América de Mauá.

“Os sintomas da intoxicação pelo slime ou pelo bórax incluem náuseas, vômitos, cólicas abdominais e diarreia, assim como o descrito pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), nossa agência regulamentadora. A criança pode apresentar ainda aspecto azul-arroxeado ou acinzentado na pele e nas mucosas, caracterizando a cianose, um sintoma decorrente de uma intoxicação mais grave. Nesse caso, pode haver ainda queda de pressão, perda de consciência e até mesmo choque cardiovascular. O potencial da toxidade do bórax aumenta conforme são adicionados outros produtos químicos para colorir e texturizar as gelecas, como eram chamadas antigamente”, ressalta a pediatra.

Para as crianças, a parte mais divertida da brincadeira com o slime é sua fabricação. Por isso, por mais seguro que seja comprar um produto químico regulamentado pela Anvisa, o que deve obviamente ser algo prioritário, a produção também deve ser feita de uma maneira segura para as crianças, garantindo que sempre estejam acompanhadas por um adulto, tenham cuidados na manipulação e na mistura dos ingredientes e estejam com equipamento de proteção individual, como luvas. “É importante também que após a manipulação as mãos sejam muito bem lavadas, bem como os braços, e, claro, o tempo de exposição à substância não pode passar de 30 minutos a 1 hora por dia, tanto na fabricação quanto na brincadeira”, comenta a especialista.

No nosso país, a Anvisa contraindica o uso do borato de sódio e fornece orientações em caso de intoxicação: não provocar vômito na criança, não oferecer água, leite ou qualquer outro líquido e procurar assistência médica de imediato.

Alguns jornais internacionais, como The Guardian, além de outros veículos de informação, recentemente fizeram reportagens sobre o slime, relatando a ocorrência de queimaduras de segundo e até terceiro grau principalmente nas mãos, devido ao tempo prolongado de exposição à brincadeira – em alguns casos todos os dias e durante vários meses. “É fundamental que os pais se atentem para a questão dos efeitos a curto e longo prazo, desde queimaduras a intoxicações gastrointestinais. O mais importante seria substituir o ativador do slime, o borato de sódio, que é o principal componente tóxico da mistura química, por outras alternativas, como a gelatina, o amido e o marshmallow, que, por mais que não proporcione a mesma textura, é um slime seguro para todas as crianças”, conclui a médica.

Dra. Nathalie Moschetta Monteiro Gil, pediatra e neurologista infantil, prestadora de serviços no Hospital América de Mauá | CRM 163047

 


Google_display_Monóxido_1200x628px-1200x628.png

Atualmente, têm sido veiculadas na imprensa diversas reportagens sobre pessoas que inalaram monóxido de carbono e foram a óbito. Segundo o Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS), São Paulo contabiliza, desde 2000, 122 mortes do tipo, sendo o estado que mais registrou mortes por inalação de gás nesse período.  O monóxido de carbono é produzido quando combustíveis, como gás, madeira e carvão, são queimados, podendo também se acumular quando aquecedores e aparelhos de cozimento a gás falham ou não apresentam ventilação adequada. Trata-se de um gás inodoro e incolor, por isso pode ser inalado sem que a pessoa perceba. Entre os sintomas associados ao envenenamento, estão dores de cabeça, tontura, fraqueza, dores abdominais, vômito, dor no peito e confusão mental.

De acordo com a Dra. Maria Bernadette Zambotto, médica e prestadora de serviços no Hospital América de Mauá, a intoxicação por monóxido de carbono pode levar à morte em minutos. “O monóxido de carbono (CO) é um gás formado por um átomo de carbono e um átomo de oxigênio. É incolor, sem cheiro, sem sabor e inflamável. Sua emissão pode ocorrer por fontes naturais ou antrópicas (causadas pelo homem), sendo 60% de toda a massa emitida decorrente da ação humana. Entre as fontes naturais de emissão, estão atividade vulcânica, descargas elétricas e combustão de gás natural.  Entre as fontes antrópicas, que são também as mais poluentes, destaca-se a combustão de madeira, como no caso de queimadas, e de derivados de petróleo, utilizados nos combustíveis de veículos. Um dado aterrorizante sobre o monóxido de carbono foi sua utilização nas câmaras de gás nos campos de concentração nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. Isso se deu justamente devido à sua letalidade, já que ao ser inalado o monóxido de carbono se liga à hemoglobina, ocupando o lugar do oxigênio (O2). A afinidade da hemoglobina é 240 vezes maior com o CO do que com o O2, então a menor oferta de O2 acaba rapidamente levando à morte por asfixia. Além disso, a exposição frequente a baixas concentrações de CO também pode acarretar diversos distúrbios na saúde, tais como insônia, dor de cabeça, náuseas, vômito, distúrbios visuais, alterações auditivas, doenças respiratórias, perda de apetite e problemas cardíacos. No Brasil, por meio de órgãos como a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB), a concentração de CO na atmosfera é constantemente medida. A partir de 9 ppm (partículas por milhão), a qualidade do ar já é considerada preocupante. Acima de 15 ppm, a qualidade do ar é considerada crítica”, explica a doutora.

 


post_doencas-do-inverno-1200x698.jpg

Doenças do Inverno

Com a chegada do inverno, para nos protegermos do frio, as janelas costumam ficar fechadas com mais frequência, o que reduz a circulação de ar nos ambientes. Além disso, evitamos locais abertos e tendemos a nos concentrar em maiores aglomerações. Todos esses fatores facilitam a propagação de vírus e bactérias que causam inúmeras doenças. A seguir, o Dr. Claudio Roberto Gonsalez, infectologista e prestador de serviços no Hospital América de Mauá, destaca as doenças mais comuns nessa época do ano e quais os cuidados necessários para evitá-las.

    • Pneumonia – infecção aguda dos pulmões causada por bactérias, vírus ou fungos. Pode surgir após uma gripe ou uma crise de bronquite severa. Os sintomas dependem da intensidade do quadro, mas normalmente caracterizam-se por tosse, febre, falta de ar, expectoração e queda do estado geral. Frequentemente é necessário utilizar antimicrobianos.
    • Alergias – são causadas por reações do próprio organismo a diversos elementos, como pelos de animas, mofo, poeira, perfumes etc. Causam inúmeros sintomas, entre eles espirros, coceira e tosse. O tratamento é específico para cada caso, e a prevenção pode ser feita mantendo os ambientes ventilados e limpos e evitando o contato com substâncias que podem desencadear alergia. Com a chegada do frio, costumamos usar roupas que passaram muito tempo guardadas e que, por isso, abrigam ácaros que podem ocasionar crises alérgicas. Antes de utilizá-las, portanto, é recomendado higienizá-las.
    • Asma – inflamação dos pulmões e vias aéreas relacionada a processos alérgicos ou de hipersensibilidade. É mais comum em crianças, embora também acometa adultos. Os principais sintomas são chiados no peito, tosse e sensação de falta de ar. O tratamento é feito com broncodilatador e, como forma de prevenção, deve-se eliminar a poeira doméstica ou outros desencadeadores.
    • Amidalite e/ou Faringite – causada por vírus ou bactérias, é uma inflamação das amídalas cujos sintomas são dor de garganta ao engolir, mau hálito e febre. O tratamento é feito com anti-inflamatórios e, por vezes, antimicrobianos. Para se prevenir, é recomendado evitar mudanças bruscas de temperatura.
    • Bronquite – é uma inflamação dos brônquios, o que dificulta a chegada de ar aos pulmões. Causa tosse seca com chiado, seguida de tosse com catarro. O tratamento é feito com utilização de vaporizadores, analgésicos, descongestionantes nasais, hidratação e, por vezes, antimicrobianos. Para se prevenir da doença, o cigarro deve ser evitado.
    • Otite – é causada por vírus ou bactérias que infectam a garganta e migram até o ouvido, provocando febre, dor de ouvido e de garganta. É bastante comum em crianças. O tratamento é feito com antibióticos e analgésicos, e a prevenção pode ser feita mantendo as vias aéreas limpas.
    • Rinite – causada por irritação ou inflamação da mucosa do nariz, é uma das doenças alérgicas mais comuns. Causa espirros, coriza, coceira e congestionamento nasal. O tratamento é feito com medicamentos e vacinas antialérgicas. Para se prevenir, é aconselhável manter o ambiente limpo e arejado.
    • Sinusite – é uma inflamação dos seios nasais, que são cavidades no crânio ao redor do nariz e que servem para umidificar e aquecer o ar inspirado, bem como reter partículas e germes existentes no ar. Provocada por alergias ou infecções por vírus ou bactérias, causa dor de cabeça, pálpebras inchadas, nariz entupido, secreção nasal e dor nos olhos. O tratamento pode ser feito com corticoides, descongestionantes e antibióticos, no caso de infecção bacteriana.
    • Meningite – causada por vírus e bactérias, é um quadro grave cujos sintomas são febre, dor de cabeça, vômito, diminuição do nível de consciência e, algumas vezes, manchas na pele. Dentre as doenças de inverno mais comuns, esta é a mais grave, pois há maior índice de morte e sequelas. O tratamento normalmente exige a administração de antibióticos e internação hospitalar.
    • Gripe – muito conhecida entre nós, manifesta-se por febre, espirros, dor de cabeça, dores no corpo, falta de ar, coriza e pode predispor a pneumonia. Seu tratamento, na maioria dos casos, é sintomático, já que os sintomas diminuem gradualmente.
    • Cuidados necessários para evitar as doenças de inverno
      Hábitos saudáveis são fundamentais sempre. Boa alimentação, hidratação, prática de atividade física e uma boa noite de sono são recomendações indispensáveis para fortalecer o corpo e se prevenir de doenças. Também é aconselhável evitar o consumo de cigarro e de bebidas alcoólicas, manter os ambientes bem ventilados e evitar grandes aglomerações sem boa ventilação. Bons hábitos de higiene também são essenciais, como lavar frequentemente as mãos. Manter as vacinas em dia também é um aspecto importante. De maneira geral, as vacinas são indicadas a todos, e muitas dessas doenças de inverno podem ser evitadas por meio da vacinação (meningite, pneumonia e gripe). No caso da gripe, a vacina protege dos casos de Influenza A (incluindo H1N1) e Influenza B.
      Evite sempre a automedicação! Somente a avaliação médica poderá indicar o diagnóstico correto e o melhor tratamento para cada caso.
    • Sobre a automedicação
      A automedicação é contraindicada em qualquer caso, desde os mais simples até os mais graves. O uso inadequado de medicação, além de não ajudar no tratamento, pode prejudicar alguns quadros e até mesmo levar à morte.

Dr. Claudio Roberto Gonsalez | Infectologista, prestador de serviços do Hospital América de Mauá | CRM –SP   57.166 | Membro do Serviço de Controle de Infecções Relacionadas a Assistência à Saúde do Hospital América.


post-dezembro-vermelho-1200x698.jpg

Você sabia?

  • Que o objetivo da Campanha Dezembro Vermelho tem como intuito chamar atenção para as medidas de prevenção, assistência, proteção e promoção dos direitos humanos das pessoas vivendo com HIV. A escolha do mês foi em função do Dia Mundial contra a AIDS, celebrado no mundo inteiro em 1º de dezembro.
  • Que o HIV é o vírus que causa a doença, e Aids é a doença provocada pela ação deste vírus no organismo. O HIV é notificado no momento do resultado do teste, se positivo. A Aids é notificada se o indivíduo aparece no hospital com alguma doença oportunista (como câncer ou infecções) ou com a imunidade muito baixa.
  • Que o vírus pode ser detectado por exames de sangue e saliva.
  • No Hospital América temos todos os exames necessários para diagnosticar e acompanhar pessoas infectadas.
  • Os sintomas iniciais após a transmissão assemelham-se a um quadro viral como uma gripe ou resfriado. Após alguns anos sem tratamento sintomas gerais como emagrecimento, febre, diarreia e aparecimento de outras doenças infecciosas ou cânceres podem surgir devido à baixa imunidade.
  • Casais infectados com o vírus podem ter filhos e métodos seguros de concepção são garantidos pelo governo, para que possam conceber crianças sem a infecção pelo HIV.
  • Os indivíduos infectados que fazem o tratamento regular e acompanhamento nas consultas médicas com o infectologista podem exercer todas e quaisquer atividades que uma pessoa saudável e sem a doença fariam.
  • Em 2017, havia 36,9 milhões [31,1 milhões–43,9 milhões] de pessoas vivendo com HIV em todo mundo. Na América Latina cerca de 1,8 milhão [1,5 milhão–2,3 milhões] de pessoas vivem com HIV. No Brasil a taxa de infecção vem aumentando nos últimos anos, sobretudo na população jovem.

Mitos e verdades sobre a Aids

Não adquirimos a infecção pelo HIV das seguintes formas listadas:

  • Sexo desde que se use corretamente a camisinha;
  • Beijo no rosto ou na boca;
  • Suor e lágrima;
  • Picada de inseto;
  • Aperto de mão ou abraço;
  • Compartilhamento de sabonete/toalha/lençóis;
  • Talheres/copos;
  • Assento de ônibus;
  • Piscina;
  • Banheiro;
  • Doação de sangue;
  • Pelo ar.

Assim pega:

  • Sexo vaginal sem camisinha;
  • Sexo anal sem camisinha;
  • Sexo oral sem camisinha;
  • Uso de seringa por mais de uma pessoa;
  • Transfusão de sangue contaminado;
  • Da mãe infectada para seu filho durante a gravidez, no parto e na amamentação;
  • Instrumentos que furam ou cortam não esterilizados.


Dr. Leopoldo Trevelin | Infectologista | CRM 133980 | Prestador de serviços no Hospital América de Mauá. 


post_primavera-1200x698.jpg

A primavera chegou trazendo um tempo seco, poluição e pólens. Este processo de mudança climática traz impactos que demandam cuidados específicos na saúde. Confira a seguir algumas dicas relacionadas a estação:

  • Clima seco e o contato com os pólens das flores, são fatores predisponentes para as doenças que acometem as vias aéreas como: rinite, sinusite, asma brônquica e pneumonias;
  • Mudança brusca de temperatura e umidade contribuem para o surgimento de patologias como: faringite, laringite, asma, pneumonia, amidalites e otites;
  • Pacientes com doenças crônicas precisam de acompanhamento ambulatorial. Evite aglomerações, mantenha as vacinas em dia, principalmente crianças e idosos. Tenha atenção a qualquer sinal de acometimento das vias aéreas;
  • Tenha cuidados com a alimentação e a hidratação;
  • Prefira uma alimentação leve (carne, frutas e legumes);
  • Use roupas leves, chapéus, bonés e protetores solares diariamente (independente de exposição aos raios solares direta ou indiretamente);
  • Evite exposição a luz solar no horário das 10 às 15h (luz ultravioleta);
  • Nos dias secos use umidificador de ar nos ambientes. Não esqueça a manutenção do filtro do ar-condicionado (fonte de bactérias).

Dr. Reginaldo Amaral Batista | Pneumologista | CRM 43636 | Prestador de serviços no Hospital América de Mauá.



HOSPITAL AMÉRICA

Rua Martin Afonso, 114
Vila Bocaina – Mauá/SP
Telefone: (11) 4544.2085





ACOMPANHE NOSSAS

Redes Sociais



Hospital 2019. Todos os Direitos Reservados.